# Cinema | Bohemian Rhapsody


Já repararam ali na barra lateral no mais recente parceiro que temos? Se ainda não repararam, aqui estou eu para vos falar sobre a mais recente rubrica que vos vamos trazer. Com o sentido de vos trazer conteúdos diferentes e de escrevermos rubricas periódicas sobre temas que estão na ordem do dia, tornámos-nos parceiros dos Cinemas City e vamos falar-vos de filmes em cartaz duas vezes por mês. O primeiro filme que escolhemos está rodeado de criticas, e muito por isso quisemos que fosse o pontapé de saída desta rubrica! Vamos falar sobre Freddie Mercury e o filme Bohemian Rhapsody.


Antes de assistir ao filme já tinha visto o trailer vezes sem conta e enquanto fã dos Queen todas as vezes que o  vejo e revejo a reacção é a mesma: fico arrepiada! No trailer percebi que havia uma abordagem muito focada nos bastidores da banda, na fase inicial e na ascensão estrondosa que viveram nos anos 70 e no concerto brutal Live Aid. Nasci no final dos anos 70 e cresci a ouvir Queen como sendo das melhores, se não a melhor, banda de Rock do mundo. 

Era uma miúda quando Freddie Mercury morreu mas lembro-me como se fosse hoje. Há duas mortes de figuras que se destacaram nas suas áreas que me marcaram muito, a primeira foi sem dúvida Freddie em 1991 e a segunda foi Ayrton Senna 3 anos mais tarde. Mas voltemos ao filme.

Entrei na sala com expectativas elevadas e a verdade é que não saí de lá defraudada. Achei o filme genial! Para além da suave abordagem sobre o estilo de vida boémio de Freddie e passando à frente de todos os pontos que têm sido fortemente criticados, como sejam por exemplo as alterações na linha cronológica dos acontecimentos, acho que Bohemian Rhapsody faz juz ao que foram os Queen de Freddie Mercury. Gostei em particular de conhecer um pouco da vida familiar e conjugal de Freddie, de "conhecer" Mary Austin, que se revelou provavelmente a pessoa mais importante da vida da grande estrela de rock, mas gostei em particular da recriação do Live Aid. 


Tinha 7 anos quando se realizou o Live Aid e lembro-me perfeitamente de não se falar noutra coisa nas notícias e de ter sido dos melhores concertos de sempre de Queen. A recriação no filme está fabulosa! E é exactamente o que me faz arrepiar sempre que vejo o trailer.


Mas para mim o maior destaque de todos vai para o desempenho de Rami Malek. Conseguiu entrar na personagem de uma forma tão absorvente que houve momentos em que me esqueci que não era realmente Freddie Mercury no ecran. Tomara que Adam Lambert tivesse essa capacidade, embora o concerto que vi no Rock in Rio 2016 tenha sido muito bom! 
 

Daqui a três dias faz 27 anos que Freddie Mercury nos deixou, com apenas 45 anos, vitima de uma broncopneumonia contra a qual o seu sistema imunitário abalado pela SIDA não conseguiu lutar. Marcou gerações e continuará a marcar a história do rock! 

Bohemian Rhapsody: um filme a não perder! 

"There's only room in this band for one histerical Queen!" 

Sem comentários: