# Crónica 6 de 2018 | Actividades Extra-curriculares: como decidir?


Hoje é dia de Karaté! Escolheram esta actividade já há quase 1 ano atrás, na altura penso que um pouco motivados pelos colegas de sala no colégio, pois muitos deles andavam no karaté. Desde então mantêm-se, e gostam, embora haja dias em que não lhes apetece ir e em que peçam para não ir, regra geral, querem ir e divertem-se imenso nas aulas! Mas como é que nós pais devemos proceder para escolher as actividades extra-curriculares dos nossos filhos? Como é que os devemos envolver no processo de escolha? 


Esta semana entramos no tema das atividades extracurriculares das crianças, o qual traz várias questões associadas e, por esse motivo, iremos aborda-lo em várias crónicas. 

Hoje vamos falar sobre como decidir quais as atividades extracurriculares para as crianças. 

Para responder a esta questão, sugiro que usem 3 critérios de escolha que poderão ajudar muito a decidir: 

1. Motivação: este é o principal critério e relaciona-se com a vontade que a criança tem para a actividade A ou B; 

2. Proximidade: este é o reverso da medalha do critério anterior, e relaciona-se com a funcionalidade, ou seja, com variáveis como onde fica, quais os horários e quanto custa, que condicionam a operacionalidade da actividade; 

3. Crescimento: este é um critério fundamental, que é basicamente perceber se aquela actividade é benéfica para a criança, e se estimula áreas de desenvolvimento que até são aquelas que faz sentido agora trabalhar mais. 

Depois, existem outros critérios gerais para as escolhas das crianças, que se aplicam aqui como a outros processos de tomada de decisão, tais como: 

· Autonomia: promover a autonomia no processo de tomada de decisão, com maiores ou menores ajudas, de acordo com a idade e maturidade da criança; 

· Reteste: fazer o teste à escolha, deixando marinar e repetindo a pergunta e solicitando novamente a justificação à criança; 

· E se: criar cenários com alguma dificuldade, para avaliar a antecipação de cenários desfavoráveis da criança (tais como: “e se estiver a chover no dia da actividade?”; “e se houver uma festa de anos no dia da actividade?”); 

· Contrato: definir com a criança um “período de fidelidade mínima”, assim como um “período de experimentação” e “rescisão com justa causa”. 

E para a semana há mais :) 

Boas actividades! 


Abraço, 

Hugo Santos, Psicólogo 



Sem comentários: