# Healthy | Aprender a ler o nosso organismo


Partilhei convosco há uns tempos neste post, que cheguei à conclusão que tenho um longo caminho até me considerar uma pessoa fit. A verdade é que apesar de cada vez adoptar mais hábitos saudáveis no que respeita à alimentação e ao desporto, ainda sinto que estou longe do meu objectivo. Não sou a favor de dietas restritivas, não me disponho a fazer sacrifícios e prefiro perder peso [e barriga] mais devagar mas de forma coerente, pois sinto que só assim a mudança será permanente e não volto a regredir facilmente voltando aos velhos hábitos. Tudo isto leva tempo, e estando tranquila com as minhas decisões, este ano não visto o bikini tão satisfeita como gostaria, mas a saber que estou no bom caminho!


Neste percurso, tenho lido muito, quer sobre alimentação, receitas de culinária, ingredientes novos e os efeitos que têm no nosso organismo, quer sobre metabolismo e processos fisiológicos do nosso corpo. São áreas que não conheço mas sobre as quais tenho gostado imenso de aprender, e tenho realmente aprendido.

Quando mensalmente faço a minha avaliação física no ginásio, nem sempre obtenho resultados que me satisfaçam. Há meses em que há progresso, mesmo que pouco, mas há outros em que  o peso ou a percentagem de massa gorda aumentaram e fico mais desanimada. A verdade nua e crua é que sem sacrifício o processo é lento, e se foi este o caminho que escolhi, tenho que ser paciente.


Peso neste momento 59kg e 30% deste peso é gordura corporal. O objectivo que tenho é reduzir esta percentagem e por sua vez aumentar o peso de massa muscular, que neste momento se situa nos 39kg,

Mas para percebermos estas proporções, e o que realmente significam, há alguns conceitos que devemos reter e entender. 

A gordura corporal expressa-se em proporção ao peso total, ou seja, 30% dos meus 59kg são gordura corporal [muito acima do que eu desejaria mas ainda assim dentro dos padrões da compleição saudável]. A redução dos níveis de gordura corporal diminui o risco de hipertensão arterial, doenças cardiovasculares, diabetes e cancro. Mais do que apenas pela questão estética, nunca devemos deixar de pensar que primeiro vem a nossa saúde.

A massa muscular representa os músculos do corpo, incluindo os músculos esqueléticos, os músculos lisos (coração, aparelho digestivo) e a água neles contida. Aumentar a massa muscular provoca um aumento do gasto de energia o que ajuda a baixar os níveis excessivos de gordura corporal e a perder peso de uma forma saudável.

Os treinos com o Pedro Pascoal no Fitness Hut têm sido preponderantes, e nas últimas duas semanas consegui fazer treino bicicleta estática, fiz um RPM num dia e um SPRINT noutro. Estas são aulas que para além de serem de meia hora,  o que facilita imenso a logística, me colocam num pico de esforço físico de curta duração elevando o meu metabolismo.

Os meus objectivos mantêm-se! Continuar no caminho da alimentação cada vez mais saudável, aumentar cada vez mais a prática de exercício físico. Hoje o gráfico é este! No próximo mês espero que seja um bocadinho melhor!



Sem comentários: