Adeus chucha | Já não há bebés cá em casa!


O Daniel cresce primeiro do que a irmã. Tem sido assim em quase tudo. Apesar da Carolina já há bastante tempo ser maior do que o irmão, o Daniel tem crescido mais rapidamente. E por crescer, refiro-me ao deixar para trás das costas os hábitos de bebé. [Aliás, começou logo com o nascimento, pois foi ele quem quis nascer às 33 semanas de gestação!]

Alguns dos marcos mais importantes nesta coisa do crescimento, são o deixar de mamar, deixar a fralda de dia e depois de noite e o deixar a chucha. Há muitos mais, e há as pequeninas coisas do dia a dia em que os vemos crescer a todo o momento, mas estas questões são as mais marcantes e que muitas vezes são até causa de stress nas mães e pais, nos casos em que são mais complicadas. Por aqui, temos sido em tudo defensores de deixar a coisa correr de forma natural e a verdade é que temos tudo a melhor das experiências devido a isso.

A Carolina e o Daniel deixaram de mamar aos dois anos e meio e pelo método de amamentação com desmame natural. A experiência de amamentação para mim foi positiva, apesar dos momentos difíceis que houve. [Li este post e fiquei com saudades!]. Em relação à fralda

A chucha revelou-se mais difícil. Tentámos que deixassem a chucha várias vezes, mas o sofrimento que vimos  advir dessa decisão não valia a pena. Decidimos por isso adoptar outra postura e deixar que as coisas corressem com a naturalidade com que correram as questões de amamentação e fralda. Desistimos de comprar a guerra [falámos sobre isso aqui]. Resultou! No inicio do mês de Novembro, o Daniel deixou a chucha em definitivo e nunca mais voltou atrás. [contei tudo aqui]. A Carolina continuava a não querer, e embora falássemos muitas vezes disso dizia sempre que gostava muito da chucha e que ela muito boa e não a queria dar nem deitar fora. Fomos deixando andar mas sempre tentando conversar com ela sobre o tema para que se fosse mentalizando. A regra era a mesma que se aplicou ao irmão. Quando a chucha estivesse estragada não havia mais.

Há umas duas semanas atrás convenceu-se a dormir sem chucha. Decidiu que a ir colocar debaixo da almofada, e dormiu assim! De manhã acordou muito feliz porque tinha conseguido! Mas havia alturas em que fraquejava, antes de se ir deitar e de manhã ao acordar não conseguia resistir e agarrava-se à chucha! Até que, no fim da semana passada, apareceu um dia a choramingar a dizer-me que a chucha já não estava boa, que cheirava mal e que tinha um buraquinho e ela já não gostava de chuchar. Aproveitei para lhe sugerir que fossemos as duas ao quarto dos brinquedos escolher uma coisa para ela levar para dormir em vez da chucha, e disse-lhe que não ficasse triste porque ela sabia que já dormia bem sem a chucha e já não precisava dela. Escolheu várias coisas. Aliás, fiquei até com dúvidas que ela própria coubesse na cama, mas lá arranjou maneira de acomodar toda a gente!



Confesso que tive uns minutos em que tive muita vontade de ir abrir uma embalagem com uma chucha nova que tinha descoberto lá por casa, mas não o fiz e mantive-me firme! Ainda assim, convenci-me que ela ia chorar ou que ia dormir mal com a ansiedade de já não ter chucha. Mas enganei-me! Quase não cabe na cama, mas dorme bem e sem chucha!


Ontem à noite encontrei-a assim, com este ar tranquilo e num sono profundo. Chucha para quê? A minha menina já é crescida!

Sem comentários: