Sobre protecção solar infantil


Há cerca de duas semanas atrás, publiquei este post com o meu Top 6 no que respeita a protecção solar infantil. Soube ontem da publicação de um artigo, na revista Teste Saúde, suplemento de Deco Proteste, na edição nº nº 121 de Junho/Julho 2016, em que foi apresentado um estudo relativo a protectores solares infantis que gerou alguma polémica.


Neste artigo, um dos solares Uriage, classificado no meu Top 6 com a posição 5, era referenciado como possuindo um ingrediente activo alergénico. Recebi da marca uma nota de esclarecimento que achei importante partilhar convosco.

"Recentemente foi publicado um artigo sobre o parecer relativamente à qualidade de 15 protectores solares infantis existentes no mercado após um estudo desenvolvido pela DECO proteste. No que diz respeito à marca Uriage – Bariésun Spray Infantil SPF50+, foram feitas duas afirmações incorrectas:

O Uriage ... dizem-se hipoalergénicos e contêm substâncias reconhecidas como alergénicas: methylisothiazolinone...” No que diz respeito a esta afirmação, os Laboratoires Dermatologiques D’Uriage comprovaram que nenhum produto Uriage contem na sua composição methylisothiazolinone. A Deco assumiu o seu erro e como medidas correctivas, rectificou a informação no comparador online e corrigiu o artigo disponível para consulta no portal, em formato PDF. Comprometeu-se também a clarificar esta situação na próxima edição da revista TESTE SAÚDE, de agosto de 2016.

 “O protector da Uriage inclui ethylhexylmethoxycinnamate (OMC), um desregulador endócrino que pode afectar a produção de hormonas pelo organismo e reduzir a fertilidade. A sua utilização é permitida por lei.”

Quanto esta afirmação, os Laboratórios Dermatologiques D’Uriage asseguram o cumprimento rigoroso da legislação Europeia em vigor face à matéria de utilização de ingredientes e concentrações autorizados. No que diz respeito a filtros solares a Directiva Europeia apresenta uma lista positiva de substâncias com função de filtro solar para radiações ultravioleta (Anexo VII do Decreto Lei no 189/2008, de 24 de Setembro, na sua actual redacção), nas quais constam o ethylhexylmethoxycinnamate (OMC). As listas positivas são criadas com base nas opiniões do Comité Cientifico de Segurança dos
Consumidores (CSSC) e segundo uma das mais recentes*, não existem actualmente riscos descritos e comprovados relativamente à substância mencionada (OMC), que levem a que esta substância seja retirada da lista de substâncias autorizadas."

No mesmo artigo, e relativamente às marcas de protectores que menciono no meu post, vem ainda uma indicação relativa à marca Bioderma, que afirma que:

"Todos os produtos testados cumprem no bloqueio dos raios ultravioleta do tipo B (UVB), responsáveis por queimaduras, mas o Bioderma Photoderm Kid e o Clarins Lait Special Enfants não passam no teste dos utravioleta do tipo A (UVA)."

Já contactei a marca para saber se fizeram algum comunicado oficial sobre esta afirmação publicada e aguardo feedback.

Não conhecia este artigo, porque não sou leitora da DECO, porque já fui associada e deixei de ser, e porque muito sinceramente acho sempre que os artigos de comparativos que são publicados na revista são reflexo de interesses comerciais e das marcas que se envolvem ou não com a marca DECO. Atenção que, é só a minha opinião pessoal, e pode ou não corresponder à verdade. 

Confesso que neste caso me parece bastante grave, e porque nós mães podemos ficar alarmadas com algumas leituras que fazemos, achei importante partilhar convosco esta situação. Pessoalmente, não sou alarmista, pelo que mantenho o meu Top 6 em matéria de protecção solar infantil.

Sem comentários: