Semana Mundial do Aleitamento Materno


Para mim, amamentar foi uma experiência que envolveu um misto de emoções. Tive alturas de grande desespero, mas na sua maioria, o que recordo, foram os momentos de ligação, de tranquilidade, daquela conexão que apenas existe entre mãe e filho.
Os meus filhos mamaram os dois até cerca de 2 anos e meio de idade, deixaram de mamar pelo método de amamentação com desmame natural, do qual fui apologista e que no meu caso pessoal, funcionou na perfeição. No que respeita a amamentação não me arrependo de nenhuma das decisões que tomei nos momentos de maior stress, e agradeço o facto de ter podido falar por telefone com conselheiras de amamentação quando precisei. Posso afirmar que considero que tive um caso de dupla amamentação de sucesso! Como inspiração para quem tem ou vai ter bebés pequeninos, partilho alguns dados sobre a Semana Mundial do Aleitamento Materno e algumas fotografias minhas, na fase em que amamentava o Daniel e a Carolina.



Esta semana comemora-se a Semana Mundial do Aleitamento Materno, este ano com o mote: Amamentação: Uma chave para o Desenvolvimento Sustentável, que aborda o aleitamento em relação à sustentabilidade e a “sua importante contribuição para atingir os objectivos de Desenvolvimento Sustentável”. Esta semana é comemorada, todos os anos, entre os dias 1 e 7 de Agosto, em mais de 170 países, com o objectivo de encorajar esta prática e fomentar a saúde dos recém-nascidos de todo o mundo.

A data evoca a Declaração Innocenti, assinada pelos responsáveis da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Unicef, em Agosto de 1990, comprometendo-se a proteger, promover e apoiar o aleitamento materno.


O aleitamento materno é a melhor forma de fornecer, aos recém-nascidos, os nutrientes de que necessitam. A Unicef recomenda o aleitamento materno exclusivo até aos 6 meses de vida e a sua manutenção, com alimentos complementares, pelo menos, até ao segundo ano de vida.

Amamentar é reduzir morbidades, mortalidade, desigualdades, violência, danos ambientais. Amamentar é promover a vida e a saúde e melhorar sua qualidade, é intensificar as relações sociais, é um resgate cultural da condição humana, é segurança alimentar e nutricional, é reduzir impactos ambientais, é sustentável.

No ano 2000, líderes mundiais e a Organização das Nações Unidas (ONU) definiram metas com o objectivo de promover uma parceria para a redução da pobreza extrema. Oito objetivos tiveram a data de 31 de Dezembro de 2015 como prazo final para o seu cumprimento. O último relatório da ONU, a propósito, indica que o esforço de 15 anos “tem produzido o mais bem sucedido movimento de combate à pobreza da história”.



Porém, muitas metas de 2015 ainda precisam de ser cumpridas e de um alcance maior. Assim, em Setembro de 2015, uma nova agenda, com metas traçadas para o período 2016-2030, foi acordada com base nos objectivos do Desenvolvimento do Milénio: a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

Sob o legado dos Objetivos de Desenvolvimento do Milénio, a nova Agenda universal é constituída por 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e 169 metas.

Para saber mais:
Organização Mundial da Saúde – http://www.who.int/ 
Semana Mundial do Aleitamento Materno –http://worldbreastfeedingweek.org/ 

O meu conselho pessoal? Não se deixem influenciar pelas opiniões de terceiros e sigam sempre o vosso coração e o vosso instinto. Não acreditem se alguém vos disser que o leite é fraco, não há leites fracos. A amamentação é excelente quando quer a mãe quer o bebé estão a tirar partido dela, e se assim não for, é à mãe que cabe a decisão de continuar ou não a amamentar. Façam da vossa experiência de amamentação uma boa recordação, que vos faça sorrir quando a recordam.


1 comentário:

Ana Filipa Matos Silva Oliveira disse...

É interessante ver a amamentação como algo macro: o meio ambiente. Julgo que foi a primeira vez que despertei para essa dimensão. Normalmente concentramo-nos no universo micro: mãe e filho... mas há realmente muito para além disso. No entanto, é realmente uma questão de escolha. Hoje em dia, em alguns hospitais de alguns países, existe uma grande pressão para a mulher amamentar, o que por vezes leva ao desespero da mesma.
Que a amamentação seja saudável... também nas escolhas pessoais de cada um.