Pokemon Go | A febre que atacou o mundo!


A primeira vez que ouvi falar de Pokémon Go foi há precisamente duas semanas atrás. Já tinha visto umas fotografias nas redes sociais em que as pessoas apareciam com uns bonequinhos pequeninos, e na minha santa ignorância, achei que havia quem estivesse a perder tempo a editar fotografias colando pequenos monstrinhos feiosos para publicação. Afinal, nesse dia, fez-se luz!


Ao fim do dia, uns amigos que foram lá casa vinham a dizer que tinham vindo a caçar Pokémons pelo caminho! What!? Pokémons!? Caçar!? Expliquem lá isso... Lá nos explicaram o que era o jogo, e que era novidade mas já tinha milhares de utilizadores e prometia vir a ser um sucesso estrondoso. Na altura, confesso, não liguei muito ao assunto e nem pensei mais nisso, mas com o passar dos dias, entre quem vejo à minha volta e a comunicação social, parece que o Pokémon Go se tornou efectivamente um fenómeno! 

No final da semana passada, acabei por me decidir a instalar a app para tentar perceber o que era o jogo que movia o mundo e se tinha realmente alguma coisa de tão interessante que explicasse esta loucura mundial. Durou 3 dias! Nesses três dias devo ter aberto a aplicação uma meia dúzia de vezes. Na primeira, cacei um Pokémon em casa, em cima da cabeça da Carolina! Sentindo que a minha filha podia estar ameaçada, acertei-lhe à primeira! De seguida, mandaram-me a uma Pokéstop, mas aparentemente não havia nenhuma ali próxima, pelo que fechei a aplicação e esqueci-me do assunto. Da vez seguinte, andei de carro com o jogo aberto mas não aconteceu nada. Não achei graça nenhuma, e fechei! À terceira, a caminho do ginásio, lá me apareceu outro Pokémon. O jogo transformou-se na paisagem que eu via pela janela e salta um monstrinho! Atirei umas quantas bolas, ele fintou-me, mas lá o apanhei! E ficou por aí que cheguei ao ginásio [ao meu! Não ao dos Pokémons, que ao que parece também existe mas nunca vi nenhum]. No dia seguinte, não lhe mexi porque mal saí de casa, e no terceiro dia, novamente na estrada, lembrei-me de experimentar outra vez. Fui um bom bocado no carro com o jogo aberto sem que nada acontecesse. De repente, aparece o interior do meu carro no écran do telemóvel e lá estava um safadinho roxo! Desatei a atirar bolas mas ele fintou-me sempre, e passados uns 10 minutos, tinha gasto as bolas todas e o desgraçado continuava dentro do carro! Antes que nos atacasse, saí do jogo e apaguei a aplicação! Acabou-se o Pokémon por aqui, e concluí brilhantemente o mesmo que sabia antes: Não tenho perfil para isto e não consigo entender esta"febre" que atacou o mundo!

Entretanto, na comunicação social as notícias sucedem-se. Já há notícias de assaltos, de invasões de propriedade privada, de pessoas que se despedem para irem caçar Pokémons [?!]. Há novas profissões e há novos nichos de mercado a serem criados à volta de toda esta nova realidade que em duas semanas invadiu o mundo! Do ponto de vista da economia pode até abrir algumas portas, mas pessoalmente, não me consigo sentir ligada. Se são viciados em Pokémon Go, vão gostar de saber da última novidade sobre a qual li hoje! Ora vejam!

A caça aos Pokémons está aberta, e Portugal está repleto destas criaturas, Pokéstops um pouco por todo o lado e Ginásios para as melhores batalhas. Para se tornarem nos melhores treinadores, é preciso estarem constantemente a descobrir novos locais onde habitam os Pokémons mais raros, o que muitas vezes implica andar durante várias horas. Para ajudar os jogadores desta nova febre, a Odisseias lançou hoje uma newsletter especial com as melhores experiências para preencherem o vosso Pokédex e tornarem-se melhores jogadores. Em vez de andarem a pé atrás deles, o que acham de o fazer numa clássica Renault 4L? Para todos os jogadores de Pokémon GO, todos os treinadores, de qualquer equipa, a Odisseias tem a experiência ideal! 


Reúnam mais 2 amigos e percorram Lisboa atrás de Pokémons, Pokéstops e Ginásios. A rota é à escolha e a tarefa é só uma... Apanhá-los todos! Além da Renault 4L, a Odisseias lança ainda campanhas que vão permitir descobrir Lisboa com um Guia que conhece os melhores locais para apanhar todos os Pokémons, ou ao volante de um Twizy. Para quem pretende apanhar os Pokémons mais raros, a Odisseias tem ao dispor hotéis e restaurantes, onde estas criaturas marcam presença. Se estão a par da última tendência e jogam Pokémon Go, de que estão à espera? 

Sem comentários: