A hierarquia do amor


[Imagem daqui]

Há  uns bons anos atrás, quando ainda andava nos escuteiros, lembro-me de assistir a uma conversa entre um casal de chefes mais velhos do que eu, sobre diferentes tipos de amor: amor pelo marido/mulher e amor pelos filhos. Na altura, estava longe de saber bem o que distinguia estes dois tipos de amor, e fiquei a pensar na conversa. Quando fui mãe, tudo me fez sentido.


Todos sabemos que há diferentes maneiras de amar. O amor que temos pelos nossos familiares, pelos nossos amigos, pelos namorados, maridos, namoradas, mulheres. O amor que temos pelos nossos animais de estimação, que se tornam parte da família. O amor que temos seja por quem for. Todos os tipos de amor têm diferentes posições. Chamemos-lhe a hierarquia do amor.

Se imaginarmos uma pirâmide. acho que na base, podemos colocar, de um modo geral, o amor pelos amigos. Se calhar, a par com estes, poderá estar o amor pelos animais de estimação. Embora isto possa ser discutível, haverá certamente quem discorde desta hierarquia, mas estamos a generalizar.

No patamar imediatamente acima, virão os membros da nossa família. Sem uma ordem específica, mas claro que em graus ligeiramente diferentes, surgem, primos e tios, avós e avôs, cunhados, padrinhos e afins. Mais acima, coloco pais e irmãos. Aqueles que mais próximos nos são, com quem crescemos, que fizeram de nós quem somos. A par com este patamar, coloco namorados, maridos, namoradas, mulheres, que embora sendo um amor com características completamente diferentes, se situa no mesmo nível de intensidade.

Mas e o no topo da pirâmide, quem é que vem? Os filhos, claro! O amor que é diferente de todos os outros, que se sobrepõe a tudo e todos, que nos faz mover montanhas, ou ir buscar o Sol se for necessário. O único amor que é inabalável!

Na conversa que referi no inicio do post, era este o ponto em discussão. Já não sei se estávamos a falar de uma catástrofe, se de uma decisão,  mas sei que o que estava em casa era:

Numa situação em que somos forçados a escolher entre o marido ou a mulher,  e os filhos, quem é que escolhemos?

Quando confrontado com esta questão, o elemento masculino do casal, respondeu imediatamente que escolhia a mulher. Por sua vez, o elemento feminino. não hesitou em afirmar que escolhia os filhos. A resposta dela, deixou-o a ele espantado, e argumentou que não entendia porque é que ela fazia aquela escolha. Ela respondeu de uma forma muito clara e sucinta: "Porque homens há muitos, mas os meus filhos, são só estes!"

Acredito que não seja uma questão de género, e que a maioria das pessoas, quando questionada sobre este tema, responderia o mesmo que esta senhora respondeu. Eu, respondia sem hesitar. E tenho a certeza que se perguntasse ao meu marido, ele faria a mesma escolha.

Para mim, proteger os meus filhos, é sem sombra de dúvidas a tarefa mais importante que vou desempenhar ao longo da minha vida. Por isso, tudo o que escolho e tudo o que decido, é em prol disso mesmo. Ainda que tome decisões que me façam sofrer, se for para o bem deles, serão tomadas!

Para mim, o topo da pirâmide é e sempre será o mais claro e transparente de ler. Lá bem no alto, a letra maiúscula e sublinhado, estão dois nomes: Daniel e Carolina. E é esse o meu amor maior! Hoje, e sempre!

E para vocês? Qual é a hierarquia do amor?

1 comentário:

Isa disse...

Sem duvida que concordo contigo! Os filhos! E apesar de eu e o meu marido nos amarmos (mesmo muito) aposto como ele respondia o mesmo!