De coração cheio, porque não há [MESMO] amor maior!

Chegar a casa tarde! Mais tarde do que queria. Ser salva pelo meu pai, que ia buscar o mano Gabriel, e providencialmente, ficou no parque infantil com os três, enquanto eu tentava chegar o mais rápido possível. A hora de encerramento da creche já lá ia!


Chegar a casa com 1001 coisas para fazer, como sempre, jantar por decidir, máquinas e máquinas de roupa para pôr em dia, roupas das crianças para amanhã para preparar, roupas de cama lavadas para escolher [para trocar amanhã], gatos para tratar... e claro, miúdos para tomar banho e despachar!

Enquanto improvisei a ementa do jantar e tratei de tudo o que tinha que tratar, o pai tomou banho com eles. Quando ficaram despachados do banho, fui buscá-los para a sala, embrulhados nas toalhas e enquanto vestia o Daniel, ele pergunta:

" - Mamã, tás tixte?
- Não filho, estou só cansada...
- Xabes uma coija mamã! Eu hoje não vou potá mal, vou comê tudo e não vou fazê birras! - sorri e dei-lhe um beijo na testa.
- E vou dá miminhos a ti!"

E abraça-me, encosta a cabeça ao meu peito, e fica só assim, de mãos dadas comigo. 

1 comentário:

Isa disse...

Que docinho! Isso enche o coração...