#1 Our Pets | Porque os animais fazem parte da nossa família!


Somos uma família de 4 + 2. 4 pessoas e 2 gatos. Qualquer um de nós sempre teve animais de estimação, e quando assim é, já nem faz sentido não ter essa companhia em casa! Em miúda tive hamsters, peixes e a minha gata Binocas [que viveu 19 anos!]. Quando saí de casa dos meus pais não tive animais no imediato, mas rapidamente senti esse vazio! Comecei por ter [novamente] hamsters, mas depressa me perdi de amores pelo meu Sushi, que adoptei com cerca de 1 ano. Uns anos mais tarde, decidimos que era altura de lhe arranjar companhia [pois apesar de esterilizado, também valoriza ter companhia em casa] e adoptámos a Yoga.



Hoje, temos o Sushi com 9 anos e a Yoga com 6, e já não conseguimos imaginar a nossa vida familiar sem eles! E é isto que acontece a todas as pessoas que têm animais de estimação, afeiçoamo-nos a eles, e passam a fazer parte da família! E depois há mais, em casa dos avós! Os avós paternos têm duas gatas: a Cuca e a Dolly. Os avós maternos têm duas cadelas: A Chica e a Canela, uma tartaruga, e 3 pássaros [2 roseicolli e 1 periquito].




Costumo receber periodicamente [há anos!] um sms de alerta, enviado pela Bayer HealthCare, que me informa de quando devo desparasitar o Sushi. Este serviço foi activado no veterinário, é gratuito, e mantém-se até aos dias de hoje.

A Bayer HealthCare assinala pioneiramente o acontecimento, Maio, mês do coração animal, porque não só os humanos têm problemas cardíacos, também os animais sofrem de patologias neste órgão, nomeadamente a Dirofilariose, também conhecida pela “doença do verme do coração”.
A Dirofilariose é uma doença que tem maior prevalência nas alturas em que as temperaturas médias anuais são mais elevadas e é uma doença parasitária grave que pode afetar cães, gatos e até animais exóticos. Com uma grande incidência em determinadas zonas do nosso país, a Dirofilariose é provocada por um parasita, que dá pelo nome de Dirofilaria immitis, e que é transmitido através de um mosquito para a circulação sanguínea, alojando-se as larvas no coração do animal. Consoante o grau de infestação e a espécie do animal, estes parasitas poderão provocar uma redução considerável da função cardíaca, dificuldades respiratórias, perda de peso e de apetite, tosse crónica, vómitos e até taquicardias.
 Eu já tive um cão que sofreu muito com esta doença, que apanhámos a morrer na rua com patologias tão variadas, que a Dirofilariose era apenas mais uma, e cuja possibilidade de sobrevivência era remota. Sobreviveu, e apesar de ter estado poucos anos conosco [as doenças deram-lhe um envelhecimento precoce, e morreu cedo], é recordado por todos com muito carinho, e foi o cão que mais nos marcou a todos - O Farrusco! [Quando alguém me telefona do telefone fixo de casa dos meus pais, é a fotografia dele que aparece!]

Maio começou agora! Vamos aproveitar o mote, Maio, mês do coração animal para estar alerta para a doença e para nos dedicarmos de alma e coração aos nossos animais de estimação.

Sem comentários: