Terrores nocturnos

Faz amanhã uma semana que as noites desta casa sofreram uma alteração inesperada. Na semana passada, na noite de sábado para domingo, a Carolina fez uma enorme birra ao deitar. Não se queixava de nada em concreto, apenas dizia que não queria a cama, que queria a mamã, e chorava desalmadamente.

Estranhámos imenso, porque realmente ela nunca foi dada a este tipo de pieguice (é mais coisa do Daniel), mas dada a intensidade e duração do choro acabámos por tirá-la da cama (até porque o Daniel queria dormir), e levá-la conosco para baixo. Fiz-lhe uma caminha no sofá, e ficou deitada ao nosso lado, enquanto jantávamos de tabuleiro no colo. Convenci-me que o sono a iria vencer, e que se ia deixar dormir ali, mas enganei-me redondamente. Lutou contra o sono, e assim que conseguiu instalou-se ao meu colo, dizendo única e exclusivamente que queria a mamã.

Acabei por a deixar ficar um bocado, e depois comecei a insistir para que fosse para a caminha dela dormir. Estava nitidamente sonolenta, e não fazia sentido não querer dormir. Acabou por me dizer que sim, subi, e quando a tentei deitar, desatou novamente numa enorme choradeira, a trepar para o meu colo, a dizer que não queria a cama. O irmão, incomodado com o barulho, choramingou e começou a mexer-se na cama do lado, e eu acabei por levá-la para a nossa cama. Deitei-me com ela, que se abraçou a mim como nunca, e acabou por adormecer. A meio da noite levámo-la para a cama dela, e de tão ferrada que estava, não deu por nada, por isso ficou. 

Ainda não eram 7h da manhã, o Daniel acordou a chorar porque não encontrava a chucha. A irmã, incomodada com o choro, acordou também, e quando viu que estava na sua própria cama, voltou ao choro compulsivo da noite anterior.

Acalmou-se ao colo, e acabaram por ficar os dois na nossa cama, acordados. (Por muito pouco tempo, claro! Rapidamente quiseram descer e tomar o pequeno almoço!) Neste mesmo dia, ao chegar a hora da sesta, repetiu-se a cena! Choro compulsivo a partir do momento em que caiu na cama. Tentámos falar com ela, perceber o que se passava, mas tudo o que nos dizia era que não queria a cama. Resultado: não dormiu ela, nem dormiu o irmão!

Tirando a hora de ir para a cama, tudo decorria dentro da normalidade. As brincadeiras, as refeições , em nada se notou qualquer alteração de comportamento que se pudesse associar a este pânico repentino da cama. Demos voltas e voltas a tentar perceber se teria acontecido alguma coisa que a assustasse, algum barulho, alguma conversa, alguma coisa que visse na televisão... mas não conseguimos descobrir nada que ajudasse a explicar este comportamento. Acabámos por pensar que teria sido provavelmente um pesadelo que ela teve, que a fez ficar com medo de ir para a cama. Mas e agora? Como contornar esta situação e fazer com que se sinta novamente segura na sua cama?

A solução só nos ocorreu, na noite de segunda para terça feira. Depois de termos tido uma noite de domingo com ela a dormir na nossa cama, pois repetiu a cena de choro e nem ela nem o irmão conseguiam dormir, na segunda feira voltámos a tentar deixá-la a chorar na cama, depois de longas conversas e explicações para a tentar acalmar. O choro durou nem 5 minutos, e o facto é que ela se calou! Pegámos na câmara da Chicco, e na imagem não se via ninguém em pé ou sentado, pelo que concluímos com alivio que tinham acabado por adormecer os dois! Fomos fazer o nosso jantar, comemos, arrumámos tudo, e quando subimos, e os fomos ver ao quarto... tivemos uma surpresa! 

Entrei no quarto, e vi o dou-dou e a chucha (sem os quais ela não adormece nunca!) arrumados em cima da almofada na cama dela, mas... a cama... vazia! Olho para a cama do Daniel, e... estavam lá os dois! A Carolina tinha saltado a grade e tinha ido dormir para junto do irmão.

Na manhã seguinte, o Daniel acordou a dizer "bom dia mana!", perfeitamente consciente de que ela tinha adormecido com ele na mesma cama. Quando lhe perguntámos porque é que a mana tinha ido para a cama dele, a resposta foi nada mais nada menos do que:

"Mana choiái.. mamã, papá....  mana cama mano! ó-ó!"

Perguntei se tinha sido ele a chamar a mana para a cama dele, e ele respondeu-me que sim...  

Resultado? Lembrámo-nos de experimentar uma coisa diferente! Retirámos a grade do meio de cada uma das camas, encostámo-las, prendemo-las uma à outra, e transformámo-las numa cama única! Nessa noite, o deitar foi muito mais tranquilo, não houve choro, não houve dificuldade em adormecer. Ainda assim, vimos pela câmara da Chicco, que assim que saímos do quarto, ela saiu do lado dela da cama, para se ir deitar junto ao irmão, do lado oposto. 
Para tentar que tudo ficasse a 100%, na quarta feira fizemos mais uma alteração! O colchão da Carolina foi trocado com o do Daniel, passando ela a dormir do lado da porta e ele do lado da janela do quarto! Foi a solução perfeita!

A partir desse momento, a Carolina deixou de ter medo da cama! Passou a deitar-se com a tranquilidade que sempre teve, e a passar as noites a dormir profundamente. De tal forma, que ontem, quando subimos, para além de termos os dois a dormir, tínhamos ainda a Yoga, que se instalou no meio dos dois, e dormia tranquilamente. Não a tirámos de lá, mas ela quando se viu descoberta saiu por iniciativa própria! Sabe bem que não é ali que se dorme!

E com uma simples alteração de configuração nas camas dos nossos filhos, pelo menos para já conseguimos contornar os terrores nocturnos e voltar a ter noites tranquilas! (Uffffff!)

1 comentário:

Monica Morais disse...

Coincidência ou não, cá em casa estamos a passar pelo mesmo. O mal é que ainda não consegui resolver a situação. A Victória sempre dormiu muito bem e ficava bem no quartinho dela. Desde o inicio deste mês, deu-lhe para a choradeira sempre que a vou deitar, chora desalmadamente. Tenho tentado adormece-la ao colo e depois deito-a na caminha dela, mas o mal é que quando acorda desata a chorar novamente e acaba por dormir na cama dos pais. Andamos nisto há 15 dias. Acho que foi um susto que apanhou com o trovoada e com foguetes. Na ama tem dormido as cestas da tarde muito bem, sem reclamar. Cá em casa tem sido sempre choradeira. Ficou com medo.Já ponderamos mudá-la de quarto, pois não podemos passar noites seguidas a dormir mal.