Nutrição Infantil a debate!

O tema da nutrição infantil não se esgota nunca, e ouvir um dos mestres da pediatria nacional a apresenta-lo, é uma honra! Mais do que ouvir o que o Dr.º Paulo Oom tinha para nos dizer, a manhã de 5ª feira passada deu-nos a oportunidade de colocar dúvidas, de discutir opiniões, de partilhar experiências. Para além da parte séria e em que realmente abordámos assuntos que nos interessam a todos, a manhã foi super divertida, e passada em excelente companhia. Algumas das informações que o Dr.º nos passou deixaram-me um pouco alarmada, pois não tinha noção de que a situação em Portugal seria tão grave.



Sabiam que 1 em cada 3 crianças entre os 12 e os 36 meses de idade têm excesso de peso, e destas, cerca de 6,5% têm obesidade? Este facto é devido em grande parte a uma ingestão de proteínas 4 vezes superior à recomendação de ingestão diária, que provém na sua maioria do consumo elevado de leite de vaca e de carne. Outro factor que tem muito peso, é a ingestão excessiva de açucares simples, através do consumo de bebidas e sobremesas doces. A absorção de ferro, por exemplo, é completamente inibida, se a refeição for acompanhada com ice tea.
 
Conclusões de um estudo acerca da realidade sobre a nutrição infantil em Portugal, revelam que as tendências actuais de alimentação na população infantil de idade inferior a 3 anos, não são adequadas às necessidades nutricionais das crianças em cada fase de crescimento.
 
Defensora que sou da amamentação, que como quem me segue sabe, mantenho ao acordar a ambos os meus filhos, gostei de ouvir que não há a nível nutricional qualquer contra indicação para este facto. Que a única coisa que é indicado, é que se deve manter a amamentação enquanto a mãe e o(s) bebé(s) quiser(em). E que nesta fase, mais do que uma questão de nutrição, há no acto de amamentar o conforto e o reforço do vínculo mãe-bebé, que com o crescimento se vai atenuando. A nível do conforto que o acto de mamar traz ao bebé, naturalmente, com o crescimento, este conforto é transferido para uma chucha, um boneco, ou qualquer outro objecto. Assim, não há qualquer motivo para deixar de amamentar os meus filhos, pelo menos enquanto eles sentirem que precisam deste miminho matinal.
 
Nesta fase, já noto no Daniel menos interesse em mamar, sendo que já aconteceu uma ou outra vez dizer que não quer, pelo que provavelmente nos próximos meses fará o desmame natural. Quanto à Carolina... em vez de bom dia, a primeira palavra ao acordar continua a ser "mama"!
 
O estudo que nos foi apresentado mostrou a realidade do nosso país no que respeita a este tema, e dada a importância que tudo o que acontece nos primeiros anos de vida assume para a saúde futura, espero sinceramente que ajude a altertar comportamentos, e a mudar hábitos alimentares.
 
Depois do Workshop tivemos ainda a oportunidade de partilhar um agradável almoço, no restaurante do hotel, onde aproveitámos para pôr a conversa em dia!
 
Obrigada à Milupa e à agência de comunicação pelo convite! O registo fotográfico esteve a cargo da Magma, pela lente do Pau Storch. E sobre o Inspira Santa Marta, onde tudo isto se passou, muito vos poderia dizer, mas deixo isso para um outro post!

4 comentários:

Unknown disse...

Boa tarde,
Descobri o seu blog há pouquíssimo tempo, e não sei como o descobri :)
Infelizmente vi tarde a sua disponibilidade para colocar questões nossas ao Dr. Oom :(
Acredito que tenha sido bastante interessante.

Unknown disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Unknown disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Definitivamente São Dois disse...

Olá! Foi de facto muito interessante, e fico com pena que não tenho visto a tempo que podia colocar questões para eu apresentar. Se quiser enviar-me o seu email, posso fazer-lhe chegar a apresentação do Dr. Paulo Oom. Um beijinho!