Berrar, Bater, Castigar...

Já vos tinha falado aqui, que o Daniel andava com um comportamento desafiante no que respeita à desobediência.
 
Já tive situações em que berrei, em que bati (uma palmadinha de nada nas costas da mão), mas nunca me tinha ocorrido castigá-lo. Não sei bem porquê, mas se calhar no meu subconsciente, pensava que ele era demasiado pequenino para entender um castigo. Ontem, soube que não!
 
Como já sabem, o meu irmão anda na mesma creche dos meus filhos. Ontem de manhã, a minha mãe foi acompanhá-lo à terapia da fala, e como faz sempre, foi espreitar os netos à sala deles. No meio de uma sala cheia de miúdos vestidos com bibes iguais, lá conseguiu distinguir a Carolina, que andava por ali a brincar, e que quando viu a avó a espreitar pelo vidro, foi a correr dar beijinhos e abraços, feliz da vida! Já o Daniel, estava num cantinho da sala, sentadinho num bloco almofadado, e nem sequer se tentou levantar. Quando a avó perguntou porque é que ele estava ali, soube que sua excelência estava de castigo, pois tinha batido num menino, e não mordeu de seguida, porque foi apanhado a tempo! (E sim, o Daniel é o mais novo da sala!) Sendo assim, a Sofia e a Ana ralharam com ele, e puseram-no de castigo! E ele percebeu tudo muito bem, e não tentou desobedecer!
 
A avó, dirigindo-se a ele:
 
"Avó - Então filho, estás de castigo? Portaste-te mal?
Daniel - Hum! (o som equivalente a "sim", que o Daniel faz!) 
Avó - Agora tens que ficar aí de castigo... não podes vir dar beijinho à avó...
(...) Daniel olha para a Sofia e a Ana em jeito de suplica (...)
Sofia - Vá, vai lá. Mas depois voltas!
(...) Daniel levanta-se e vai a correr em direcção à avó. Vai para o colo, dá beijinhos e abraços, conversa um bocadinho no seu dialecto pessoal, e a avó volta a pô-lo no chão. E vai daí, ele volta direitinho para o castigo, senta-se e ali fica, muito compenetrado do seu papel!"
 
Eu fiquei incrédula! Nunca pensei que ele reagisse assim, nem que pecebesse tão bem o que era o castigo, e que ficasse tão disciplinado sentadinho até ter ordem de sair!
 
O facto, é que em casa à noite, e face a esta nova informação, fez uma avaria qualquer à irmã, e o pai pô-lo de castigo! Chorou imenso, sentido por ter sido o pai a aplicar o castigo, mas ficou lá sentadinho até ter ordem de sair!
 
Hoje de manhã, pelo caminho, disse-lhe qualquer coisa como: "Filho hoje tens que te portar bem, não podes fazer mal aos outros meninos, senão a Ana e a Sofia têm que te por de castigo. Está bem?" E ele respondeu-me com o tal "hum". Veremos, se quando os for buscar, vou trazer um menino bem comportado ou um piqueno vândalo!

4 comentários:

Filipa & os 7 Oficios disse...

Olá Amiga!
Tenho andado com um problema desde que deixei de encontrar um spray de secagem rapida que usava.
Nunca fiz unhas de gel mas já estive tentada a esprimentar o verniz de gel...
Será que me podes dizer ao certo do material que preciso e qual o valor mais ou menos que tenho de gastar para poder fazer verniz de gel em casa.
Já estou um bocadinho chateada de as unhas nunca ficarem lisinhas e bonitas...
Obrigado
Beijinhos

CS disse...

Eu sou um pouco contra os castigos, pelo menos, com a banalização dos castigos e o seu uso para quase todas as situações em que se portam mal.
A minha tem 24 meses. Nunca ficou de castigo, nunca levou sacudidela. Já levou um grito ou outro para se colocar em sentido, já lhe peguei muitas vezes ao colo para falarmos olhos nos olhos.
Ele ficou de castigo? Quanto tempo? Dizem os especialistas que os castigos são um bom recurso mas quando usado deve cumprir uma série de regras por parte de quem castiga, como por exemplo: o tempo, proporcional à idade. Se tiver 2 anos, são 2 minutos. Não se pode pedir a uma criança de 2 ou 3 anos que fique 10 ou 15 ou mais quieta num canto.
A minha está em casa com o pai e depois comigo. Nem sempre sabemos o que é melhor. Nem sempre os percebemos. Não é fácil educar mas já imagino quando ela for para uma creche, já me imagino a ser uma mãe muito chata...

CS disse...

Eu sou um pouco contra os castigos, pelo menos, com a banalização dos castigos e o seu uso para quase todas as situações em que se portam mal.
A minha tem 24 meses. Nunca ficou de castigo, nunca levou sacudidela. Já levou um grito ou outro para se colocar em sentido, já lhe peguei muitas vezes ao colo para falarmos olhos nos olhos.
Ele ficou de castigo? Quanto tempo? Dizem os especialistas que os castigos são um bom recurso mas quando usado deve cumprir uma série de regras por parte de quem castiga, como por exemplo: o tempo, proporcional à idade. Se tiver 2 anos, são 2 minutos. Não se pode pedir a uma criança de 2 ou 3 anos que fique 10 ou 15 ou mais quieta num canto.
A minha está em casa com o pai e depois comigo. Nem sempre sabemos o que é melhor. Nem sempre os percebemos. Não é fácil educar mas já imagino quando ela for para uma creche, já me imagino a ser uma mãe muito chata...

Definitivamente São Dois disse...

Olá CS :)
Os castigos a que me refiro foram curtinhos! Não foram proporcionais à idade porque se assim fosse nem 2 minutos podiam durar, mas devem ter durado uns 5 minutos. É mais do que suficiente para ele perceber que o que fez é errado. Já percebi que funcionam melhor na creche do que em casa. A disciplina na creche é mais fácil de entender e acatar! Depois do episódio que contei, não voltou a fazer nada parecido! Nenhuma de nós deve ter a pretensão de que sabe sempre o que é melhor, por isso é que muitas vezes escrevo sobre as minhas opções :) por partilha, e por troca de impressões! Obrigada pelo seu comentário! Volte mais vezes!