Sobre os problemas de logística

Há dias recebi uma mensagem, de uma leitora preocupada, que tem uma filha de 4 anos e está grávida de gémeos. Está assustada! Tem um monte de dúvidas, de coisas que não sabe como vai fazer, e diz-me que já leu o meu blog de ponta a ponta para tentar encontrar algumas respostas às suas dúvidas. Temos trocado emails, e tenho tentado ajudá-la a acalmar-se e a encontrar as respostas que precisa para deixar entrar esta grande alteração na vida dela.
 
Hoje logo de manhã lembrei-me dela. Saí de casa com uma chuvada enorme. Comecei logo a fazer contas de cabeça sobre como iria tirar os miúdos do carro à porta da creche, e como os ia levar para dentro sem ficarem ensopados. Este é o meu maior problema!
 
Nos dias normais, estaciono o carro ao portão, tiro o Daniel primeiro, pois é ele que está na cadeira atrás do lugar do condutor, dou a volta ao carro, e sento o Daniel no tejadilho. Sim! Leram bem! Sento-o no tejadinho, e ele fica sentado à minha espera. Tirando os dias em que resolve fugir de gatas por cima do carro e tenho que o agarrar por um pé, já com a Carolina pendurada ao meu colo, e apanhá-lo só com um braço para o que resta de colo, para os levar aos dois para dentro. Mas adiante. Isto, é o que faço nos dias normais.
 
Em dias de chuva, não posso ter o Daniel na rua, seja no tejadilho ou no chão agarrado à porta do carro (técnica que também já usei mas que se revelou menos eficaz). Por isso, fui durante todo o caminho a pensar no que faria, e por uma primeira vez, equacionei a possibilidade de o levar a correr para dentro, deixar a irmã no carro, e deixando-o dentro da creche, vir depois a correr buscá-la. Esta é a opção que menos me agrada, mas se não tivesse alternativa, provavelmente teria que a escolher.
 
Felizmente, hoje, o São Pedro poupou-me. Parou de chover antes de chegar à porta da creche. Como estava tudo molhado, não podia na mesma sentar o Daniel no tejadilho, pelo que experimentei outra técnica. Antes de tirar o Daniel do carro, abri o cinto à Carolina e deixei-a sentada na cadeira mas pronta a sair. Tirei o Daniel, dei a volta ao carro, tirei a Carolina com o outro braço, fechei o carro, e fui para a creche com um de cada lado! E resultou! Hoje aprendi mais uma forma de agilizar a logistica matinal de chegada à creche!
 
Carla Silva, este post é para si!

2 comentários:

Joana come a papa disse...

E levar o sling ou marsúpio e enfiar lá um, enquanto se tira o outro do carro? Um vai ao colo e outro no sling? Depois é ensinar um deles a segurar o guarda-chuva ou prendê-lo debaixo do braço. Os meus não são gêmeos mas tenho feito isso. A boa notícia é que depois podemos ir trabalhar para o circo como malabaristas.

Definitivamente São Dois disse...

Pode ser uma hipótese Joana! Por acaso tenho os dois slings sempre no porta bagagens, mas já não os uso há meses! Vou experimentar! Depois conto! Obrigada!