Do verbo viajar!

Viajar, é das coisas que mais gostamos de fazer. Nos últimos anos, com o agravar da crise económica e com o rendimento familiar cada vez mais limitado, limitámos também (e muito!) as nossas viagens. Quando soubémos que íamos ser pais, fomos em jeito de despedida da vida a dois, a Barcelona (em parte em trabalho, mas aproveitámos para juntar o lazer). Note-se na foto abaixo, a minha mini barriga de 3 mesitos! Desde então... viajar foi verbo que deixou de existir no nosso dicionário.
Os bebés nasceram, os primeiros tempos foram de encantamento total, e nem sequer sentimos falta de sair por aí a conhecer o mundo. Agora com eles já com 17 meses (feitos hoje, no caso do Daniel!), devagarinho, começamos a sentir falta de algumas das coisas que fazíamos regularmente antes de sermos pais. 

Saídas a dois, para um cinema, um jantar romântico, uma viagem de 2/3 dias a uma capital Europeia. Fazer desporto juntos, fazer mergulho! Fazer compras! Passar umas horas num centro comercial qualquer e comprar roupas, sapatos, acessórios, livros, perfumes... O que nos apetecesse e/ou nos fizesse falta! E outras coisas que podia continuar a enumerar, mas que têm menos expressão.

A alternativa que temos encontrado às viagens, são os passeios de fim de semana a 4! Na semana passada andámos pela baixa, como viram aqui. Ontem andámos lá perto! E sabe bem ser turista numa cidade tão nossa, passear como turista em sítios onde normalmente passamos a correr, reparar em pormenores que só um turista repara. E nem sequer é preciso gastar nada de especial para o fazer! Ora vejam:

Saímos de casa e fomos para Lisboa. O objectivo era irmos a um brunch no Príncipe Real (Gastámos gasoleo e portagem da ponte 25 de Abril). Vimo-nos aflitos para estacionar, mas lá acabámos por arranjar um lugar, a meio da Rua da Escola Politécnica, na rua, e por isso a custo zero. Fomos para o brunch (12€/adulto e 6,5€/criança), com os miúdos já almoçados. Tínhamos os nossos amigos C e R à espera, e estivemos os 4 e os miúdos muito bem, a petiscar e a conversar até cerca das 15h30. 
Depois de sair do brunch, agasalhámos os miúdos, e fomos a pé, em direcção à Praça de Camões. Descemos a Rua Garret, fomos até ao Rossio, subimos até meio da Avenida da Liberdade, e depois voltámos tudo para trás, pelo menos caminho, em velocidade de passeio. Os miúdos, nos carrinhos bengala, até a sesta dormiram! Cerca de uma hora cada um! Andaram sempre bem dispostos, a abanar as pernas e a ver tudo o que se passava à nossa volta! 
No trajecto de regresso, descobrimos um sítio fantástico: a Chocolateria Equador. Chocolates divinais, numa pequena loja com um ambiente minimalista e super acolhedor. Trufas que apetece devorar, tabletes que dá pena abrir de tão bonitas serem as embalagens! E tudo isto com chocolate proveniente do Equador! Trouxémos uma tablete de chocolate negro com recheio de vinho do Porto, que é simplesmente divinal! Recomendo uma visita: Rua da Misericórdia 72 em Lisboa 
Os miúdos, como tinham petiscado no brunch, nem sequer deram sinais de fome durante o passeio, e quando chegámos ao carro, já por volta das 18h, mamaram e ficaram bem.

E com este passeio, acabámos por andar cerca de 2h30 a pé, a passear, pelas ruas da cidade, entre turistas e residentes, entre o frio e o aconchego quentinho do cheiro a castanha assada! Ás vezes, tão pouco pode saber tão bem como se fosse muito!

1 comentário:

THINGS I LOVE disse...

Passear em Lisboa é um mundo. Lisboa tem tanto para oferecer e que no dia-a-dia não valorizamos.

Também eu costumo, principalmente às horas de almoço, passear por Lisboa: descobrir os cafés pitorescos do Chiado, os miradouros sobre Lisboa, a magia do LX Factory,... Tanta e tanta coisa para conhecer. Porque afinal, por vezes, conhecemos melhor a cidade em que somos turistas do que a nossa própria cidade.

E podemos ser turistas todos os dias... basta querer! :))

Beatriz,
http://thingsilovefotoreportagem.blogspot.pt/