A saúdinha com 1 ano

Ao 1 ano e 1 semana, os meus filhos apresentam umas saudáveis medidas! Carolina com 7370g e 69,5cm - percentil... abaixo de 5! Elegância em pessoa, pois claro! Daniel com 9060g e 72,4cm - percentil 15! Matulão mas sem exagerar.

A consulta nada trouxe de preocupante, muito embora tenha deixado algumas mazelas e projectos de mazela.

Dona Carolina, já que, quando come papa e/ou iogurte continua a bolçar, vai fazer uma colheita de sangue para ver se eventualmente terá intolerancia à lactose. Esperamos que não, e que seja só um atraso de maturação do estômago de bebé prematura. A colheita prevê-se animada... e está prevista para amanhã.

Senhor Daniel, levou ontem na consulta, a primeira "intervenção" para eliminar as aderências balanoprepuciais, vulgo, descolar o prepucio da pilinha. O nosso pediatra, tal como a maioria, é apologista de o fazer logo após completar um ano, pois nesta fase, o bebé não retém memória do eventual trauma que advém da intervenção e respectiva cicatrização. Assim, para evitar complicações futuras, ontem foi pela primeira vez, forçado a recolher o prepucio, descolando parte da aderência. Agora compete-nos a nós pais, replicar a retração duas vezes por dia na 1ª semana, e uma vez por dia depois disto. Daqui a mês e meio / dois meses, passará a 2ª e ultima fase da intervenção, e se tudo correr bem, ficará com o assunto arrumado.

Não é bonito de se ver, nem de se fazer. Não é bom de lidar nas horas seguintes, pois entretanto, nas 24 a 48 horas seguintes, sempre que tenta fazer xixi, arde... e chora. A noite foi agitada, mas o amanhecer ainda foi pior. Devia estar com vontade de fazer xixi mas a tentar não o fazer... estava desesperado. Com compressas frias, água fria e muitos mimos, lá conseguiu fazer, e acabou por ir para a creche bem disposto. Se a manhã por lá foi tranquila? Ainda não sei.. mas espero que o pior já tenha passado.

O que eu não sabia, é que também há meninas com aderências... nos pequenos lábios. E que isso é ainda mais complicado de corrigir, pois implica rasgar a pele. Felizmente, a Carolina não padece desse mal!

Por agora, vou mimar muito o Daniel, para o compensar da maldade que lhe fizeram, e que eu tenho que repetir, mesmo contra a vontade dele.

3 comentários:

disse...

sou completamente contra esse procedido...e ainda bem que a maior parte dos pediatras aqui dizem que isso ja nao se pratica...coitadinho do bébé!
aqui ensinam nos a lavar corretamente a pilinha,a limpar bem à volta mas dizem para NUNCA forçar porque com uma boa higiene e com os meninos a "brincar" com a pilinha quando crescem que o prepucio se descola facilmente...

Definitivamente São Dois disse...

Bé, eu também assim à partida, sou contra! Antes de deixar que o Daniel passasse por ele, li muito sobre o assunto, e fiz o pediatra explicar em pormenor os prós e os contras, e acabei por concordar que fazê-lo agora foi melhor. Tenho um irmão já adulto, que cerca dos 4 anos teve que ser submetido a uma intervenção do género, de emergência, e ainda hoje não esqueceu o trauma. Até aos 2/3 anos, não recordam nada, e fazendo assim, e mantendo a higiene diariamente no banho, têm o assunto resolvido. O facto é que no dia seguinte o Daniel estava óptimo, e deixava lavar no banho sem se queixar. Acabo por reconhecer que não é nenhum drama e antes agora que mais tarde, mas claro que são opiniões :) beijinho

Cila disse...

Que estranho procedimento esse, dos 3 pediatras a que já foram seguidos, os meus 3 filhos, só aconselham a partir dos 4 anos, a fazer alguma coisa, caso seja necessário....