O cansaço!

Estou cansada! Não sou de ferro, não aguento tudo (embora às vezes me convença que sim), e não consigo ter tempo para descansar aquilo que precisava. Hoje, pela primeira vez na vida, tirei o dia no trabalho para ficar em casa a dormir! Levantei-me de manhã com eles, dei-lhes mama, vesti-os, e o pai levou-os à creche. Eu tomei o pequeno almoço e enfiei-me na cama outra vez! Estar na cama de manhã com a casa em silêncio, foi tão estranho, que demorei a adormecer. Devo ter dormido no máximo 1 hora... Entre barulhos na rua, marteladas de um vizinho, uma criança a chorar algures... Mas de qualquer das formas, foi algo que não fazia à imenso tempo. 

O cansaço que sinto é fisico e psicológico. Ponho-me a pensar, no porquê de me sentir assim tão em baixo. Desde que os miúdos nasceram, já passaram quase 11 meses. Primeiro foi o stress do internamento hospitalar, e do vir para casa sem eles. Depois foram os primeiros meses em casa, com dois bebes pequeninos que têm muitas exigências, que nos fazem acordar de noite inúmeras vezes, etc.etc. Depois comecei a trabalhar, e a rotina apertou. Acordamos cedo, dou mama aos dois, despachamo-nos a nós (banhos, pequenos almoços, preparar marmitas...), vestimos os miúdos, e saímos de casa. Depois é leva-los para baixo, de um terceiro andar sem elevador, levá-los à creche, chegar lá e tirar os dois do carro e levar os dois para dentro, sozinha. Sair a correr e ir a voar para o trabalho para conseguir chegar a horas à maquina de picar o ponto. 

No trabalho, o dia a dia é cada vez menos interessante. As restrições económicas pelas quais o país está a passar, fazem com que o trabalho seja muito condicionado por falta de meios, de materiais, de forma de executar o que tem que ser executado. Trabalha-se num sítio onde toda a gente anda desmotivada, onde só se ouvem criticas e reclamações, onde um "parabéns, fizeste um bom trabalho" deixou por completo de existir. 

Saio de lá e vou a correr para a creche, pois assim que acordam da sesta querem lanchar, e se me atraso muito para lhes dar mama, começam a ver os outros a lanchar e há logo crise. Depois de mamarem e estarem prontos para sair, lá os levo para o carro, ponho-os nas cadeirinhas, e seguimos viagem. Uma vez que a esta hora ainda o dia vai a meio, podia ir passear com eles, apanhar sol, andar a pé... Mas nunca vou. Porque andar sozinha com os dois é cada vez mais desafiante, e porque tenho sempre 1001 coisas para fazer em casa. E lá regressamos a casa. Quando o pai esta no escritório, dá um salto a casa e ajuda a leva-los para cima, quando não esta, lá tenho eu que levar um de cada vez para cima, coisa que detesto, e ainda voltar uma terceira vez à garagem, para levar sacos e marmitas. 

Chego a casa, eles ficam no parque ou nas espreguiçadeiras, metade das vezes a chorar porque querem que fique ao pé deles, e eu vou arrumar a casa. Fazer camas, tratar de loiças e roupas, preparar almoços do dia a seguir. Entretanto quando chega a hora do jantar deles, dou-lhes o jantar e a seguir levo-os para cima e dou banhos. Voltam para baixo, instalam-se nas espreguiçadeiras, e ficam a ver Baby TV, altura em que ás vezes se deixam dormir. Quando não adormecem, como ontem, ficam rabugentos, e só acalmam se estiver a brincar com eles. Só entre as 22h e as 22h30 é que lhes dou mama e os vou deitar. Adormecem sozinhos, sem birra, num instante. 

Aí, já podemos ir jantar, arrumar a cozinha, preparar as marmitas do dia seguinte, pôr uma maquina de roupa a lavar... E só depois de tudo isto, podemos ir dormir. Mesmo quando tento ver alguma série na cama, adormeço passados alguns minutos, e durmo a noite toda. 

Desde há umas semanas que acordo com dor de cabeça todos os dias. Passo a manhã a bocejar, e quando os trago para casa à tarde apetece-me tudo menos fazer o que tenho para fazer. Precisava de férias, mas essas ainda vêem longe, e mesmo quando chegarem, nao me parece que férias com filhos sejam férias que deixem os pais descansar... 

Ja estou para aqui a escrever à um bocado, enquanto bebo um batido de morango e como umas bolachas, sentada no chão da cozinha a ouvi-los reclamar lá dentro. Tenho que ir fazer uma sopa para eles, tirar, dobrar e arrumar uma maquina de roupa deles, pôr outra maquina a lavar, e rápido, que daqui a uma hora vão querer jantar! O que vale é que amanhã é fim de semana, e temos o papá connosco!

3 comentários:

Mr. A disse...

Não é fácil...
Just hang in there, girl!

Filipa Alexandra Marco Moita disse...

Oh Sara, como eu te entendo...amiga, um dia de cada vez e acredita, melhores dias virão.....e férias com crianças apesar de limitativas, não há horários da nossa parte e os dias correm mais tranquilos, acredita, experiência própria......Bjs grandes

Zina disse...

Entendo perfeitamente, e sinto na pele e nas costas em especial isso mesmo todos os dias. Apesar que o meu prédio tem elevador e eu não amamento, seria um stress e uma canseira que eu não conseguiria ter neste momento, nem nos meses anteriores. Admiro muito a sua resiliência em relação à amamentação, é preciso coragem para amamentar gémeos durante tanto tempo.
Bom fim-de-semana para vocês.